quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Operação Barreado...novo capítulo

Advogados que defendem pescadores deixam a prisão
/17h54 Felippe Aníbal Atualizado em  às 

Os advogados Fabiano Neves Macieywski e Saulo Bonat de Mello deixaram a prisão na última sexta-feira (20), depois de terem sido beneficiados por um habeas corpus concedido pelo Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR). Os dois estavam detidos desde a quarta-feira (18). Eles e outros dois advogados – todos do mesmo escritório – representam mais de 1,2 mil pescadores em Antonina e são acusados de terem articulado um núcleo criminoso no cartório cível, em pleno fórum da cidade. Os quatro são acusados de corrupção ativa e formação de quadrilha.
“A prisão era uma medida desnecessária e desproporcional. Ao longo das investigações, os advogados [Neves e Mello] sempre se colocaram à disposição do Ministério Público, sempre prestaram esclarecimentos”, disse o advogado Luiz Gustavo Pujol, que compõe a defesa de Neves e Mello.
De acordo com a denúncia, entre agosto de 2010 a outubro de 2014, os quatro advogados do Escritório Bahr, Neves e Mello pagaram propinas mensais a servidores do cartório cível do fórum de Antonina. Em troca, estes davam tramitação mais rápida a ações de indenização movidas pelo escritório em nome de pescadores que foram vítimas de acidentes ambientais de responsabilidade da Petrobrás. Desta forma, diz o MP-PR, o grupo conseguia agilizar a expedição de alvarás para levantamento de valores das indenizações.


Trens Antigos

Trens Antigos

Reportagem Gazeta do Povo: Leandro Luiz dos Santos.Parte 3: 25 de fevereiro de 2015

Parte da história das ferrovias teve início no século 17, quando as minas inglesas ainda usavam trilhos de madeira para transportar carvão em vagonetes. No século 18, esses trilhos passaram a ser revestidos de metal a fim aumentar sua durabilidade. Quase que simultaneamente surgiram os primeiros trilhos inteiramente de ferro.
Em 1712, o britânico Thomas Newcomen inventou a máquina a vapor, que foi aperfeiçoada por James Watt em 1770. O novo invento foi usado principalmente no acionamento de moinhos agrícolas e de bombas d’água em minas. O sistema a vapor foi um dos principais viabilizadores da Revolução Industrial iniciada na Inglaterra do século 18. Novos estudos envolvendo máquinas a vapor e de propulsão serviram de base para o aperfeiçoamento de alguns meios de transporte, caso do barco a vapor. No início do século 19, o inglês Richard Trevithick desenvolveu a primeira máquina capaz de trabalhar com altas pressões de vapor e, com isso, movimentar um eixo. Trevithick colocou esse dispositivo em um chassi de quatro rodas, que conseguia se movimentar sobre trilhos. Era 1804 quando ele conseguiu fazer com que seu invento puxasse uma carga de carvão de 9 toneladas ao longo de 15 km. Nascia ali a primeira locomotiva.

 

No tempo das marias-fumaças

Os saudosistas afirmam não haver experiência semelhante a de andar em um trem puxado por uma locomotiva a vapor, especialmente quando se viajava à noite. Uma profusão de estímulos agussavam todos os sentidos do viajante: o cheiro de fumaça, o som dos jatos de vapor, as fagulhas voando pela noite competindo com as estrelas…

Brasil

Por aqui, ainda no século 19, o Regente Feijó promulgava uma lei que concedia favores àquele que construísse estradas de ferro ligando a capital do país na época, o Rio de Janeiro, com outras províncias. Não houve interessados.
A primeira ferrovia brasileira foi construída pelo Barão de Mauá em 1852. Ela fazia a ligação entre um porto no interior da Baía de Guanabara e o começo da raiz da serra para Petrópolis. Os 14,5 km da estrada de ferro foram percorridos em 23 minutos com uma velocidade média de 38 km/h.

Paranaguá-Curitiba

Quando a estrada de ferro Paranaguá-Curitiba iniciou seu tráfego regular, em 5 de fevereiro de 1885, ela contava com dez locomotivas marias-fumaças. Segundo o pesquisador Edilberto Trevisan, seis locomotivas eram do tipo tender, construídas em Paris pela Société de Construction des Batignolles. Eram máquinas de grande peso que desenvolviam pequena velocidade. 

Leia matéria completa:http://www.gazetadopovo.com.br/vida-e-cidadania/especiais/ferrovia-130-anos/trens-antigos.jpp

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Mar de lama...Operação Barreado.

OPERAÇÃO BARREADO - Irmãos comissionados se apresentam e estão presos em Paranaguá e Antonina
Publicado no Jornal dos Bairros

“Depois de conseguirem escapar do cumprimento de mandado de prisão expedido pela justiça e cumprido no dia 13 deste mês, os três irmãos acusados de envolvimento no “caso dos pescadores” se apresentaram na Polícia Federal e se encontram presos nas delegacias de Paranaguá e Antonina. 
Os irmãos Karoline de Souza Cardoso, Cleverson Henrique Cardoso e Kharyne de Souza Cardoso, juntamente com o ex-escrivão do fórum cível de Antonina, Sérgio Augusto da Silva, são acusados de integrar o esquema criminoso no cartório cível no fórum de Antonina. Vale ressaltar que dois irmãos, são cargos de confiança do prefeito João Ubirajara Lopes (PSC), João Domero, Karoline de Souza Cardoso responde pela chefia de Tributação, enquanto que Cleverson Henrique Cardoso, pela chefia da Tesouraria na prefeitura municipal.
Informações levantadas pelo JB dão conta que os dois homens, Cleverson e Sérgio estão detidos na delegacia de Paranaguá, enquanto as duas mulheres estão na delegacia de Antonina, coincidentemente, a mesma onde o pai dos três irmãos, Cláudio Anselmo Cardoso, já falecido, exerceu a função de escrivão.De acordo com a investigação, Claudio também integrava o grupo.
Segundo o Ministério Público do Paraná, ele recebia R$ 2,5 mil por mês para colaborar com a quadrilha. Ele chegava a interceptar boletins de ocorrências registrados por pescadores contra advogados, para que os casos não chegassem à Promotoria. Informações dão conta que um dos motivos que levou a transferência das irmãs para Antonina, é o fato de Kharyne estar amamentando e precisa ficar próxima do filho.
Segundo reportagem da Gazeta do Povo, na denúncia era “Karoline quem recebia as orientações dos advogados e organizava as atividades no cartório, de forma a favorecer o escritório Bahr, Neves e Mello. Além disso, o escrivão interferia diretamente no andamento dos processos, deixando de realizadas juntadas de procurações que pudessem suspender ações indenizatórias em que a “Operação Petrobrás” atuava. Em troca, os servidores recebiam propina mensalmente.
De acordo com o MP, o dinheiro era repassado por Francislayne Correia de Oliveira, que era funcionária do escritório de advogados. A mesada era recebida por Karoline, que fazia a partilha dos valores entre os funcionários do cartório. Duas estagiárias da repartição chegaram a ser contratadas e pagas pelo escritório Bahr, Neves e Mello”.

Prefeito não se manifesta
A reportagem do JB atendendo orientação da Secretaria de Comunicação enviou questionamentos ao endereço eletrônico do prefeito João Domero a respeito do assunto.
O JB questionou desde quando os comissionados citados na reportagem da Gazeta do Povo estavam nomeados na prefeitura; sendo eles pessoas da sua confiança, qual foi o critério adotado para integrá-los em sua administração; o senhor tinha conhecimento que estas pessoas estavam sendo investigadas; em razão da prisão dos três, eles permanecerão nos cargos ou serão exonerados.
O prefeito João Domero não respondeu a nenhum dos questionamentos”.
Publicado em 19/02/2015 13:41


O procurador e a chefe da Divisão Tributária da prefeitura foram denunciados pelo Ministério Público do Paraná por corrupção e tráfico de influência.

“A 1.ª Promotoria de Justiça de Antonina, no litoral do Estado, apresentou, no dia 12 de fevereiro, denúncia contra o procurador-geral do Município e a chefe da Divisão Tributária da prefeitura pelos crimes de corrupção e de tráfico de influência. As irregularidades teriam ocorrido no período em que a segunda denunciada era funcionária do Cartório Cível do Fórum de Antonina.
Na qualidade de procurador do Município, o denunciado não poderia exercer a advocacia. Mas, segundo a Promotoria de Justiça, ele não apenas infringiu essa regra como, em parceria com a então funcionária do cartório captou irregularmente clientes e manipulou processos nos quais atuava como representante do Município. Um dos casos relatados na denúncia envolveu a adoção de uma criança por um casal, que contratou o procurador como advogado para cuidar dos trâmites legais.
Além disso, durante as investigações, realizadas no âmbito da “Operação Barreado”, que investiga irregularidades na condução de ações e no pagamento de indenizações a pescadores prejudicados por acidentes ambientais, foram apreendidos diversos documentos na casa da denunciada, inclusive processos desaparecidos havia anos. Diante da gravidade dos fatos, na denúncia apresentada, a Promotoria de Justiça requereu cautelarmente o afastamento imediato dos denunciados dos cargos públicos que ocupam no Município”.
Publicado em 19/02/2015 17:36

 N.E.do Blog:  Como minha cidade é o meu país. Aqui temos a “Operação Barreado”, enquanto a “Lava-Jato” toma conta do Brasil.
Um cartório foi fechado e todos os funcionários, segundo o Ministério Público estão envolvidos em vários crimes, principalmente o de Formação de Quadrilha.
O que nos intriga ainda mais, é que o atual prefeito João Domero, ciente do envolvimento destas pessoas, ainda os contratou, com cargos comissionados – de confiança - para tomarem conta da Tributação e da Tesouraria da prefeitura.
E pra “engrossar ainda mais o caldo”, o Procurador do Município também foi denunciado pelo M.P.por corrupção e tráfego de influência.
Não é possível que o prefeito negue seu conhecimento sobre as investigações dos envolvidos, ou as nomeações foram impostas pelo Procurador do Município?
Ele deverá responder tais indagações, não somente ao M.P. como também para a Câmara Municipal, que poderá acusa-lo de crime de improbidade administrativa. E poderá até resultar em cassação.
Um verdadeiro mar-de-lama, na "Antonina de Verdade"!

P.S._Para preservar seus familiares - atitudes que eles não souberam ter - não postei as fotos pessoais dos envolvidos, publicadas no jornal.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Cinzas...Ecos do carnaval.

Carnaval não é somente colocar uma fantasia e sair pela avenida cantando e deslumbrando - que realmente é o melhor – principalmente para uma cidade que tenta fazer da data sua maior festa. Seu maior evento e o mais importante do “calendário turístico” se ao menos existisse.
Para a realização da festa é necessário que o poder público – a prefeitura – proporcione uma estrutura mínima de equipamentos e serviços aos foliões e turista. Tarefa quase que impossível para as inúmeras gestões municipais. Tudo é meio feito pela metade – quando é feito – e ninguém tem o direito de dar opinião, nem os próprios carnavalescos - que precisam dos equipamentos para desenvolver seus propósitos – quanto mais um mortal cidadão.
Este ano, apesar de um orçamento de R$570mil disponibilizado pela prefeitura – sem contar com os recursos de apoiadores: Caixa, Itaipu e Petrobrás (????) – a infraestrutura foi insuficiente e falha, pior das edições da atual gestão.

Insuficiência
A iluminação da avenida estava precária, os dois pontos importantes - principalmente para o desfile das Escolas de Samba - o início e a dispersão estavam na penumbra. Parece que os organizadores – que já fazem carnaval há algum tempo – ainda não perceberam que a mais eficiente iluminação é lateral. Além de direcionar a luz, evita a instalação de postes e torres nas transversais da avenida, prejudicando o desfile dos carros alegóricos e a redução do espaço destinado ao público.
As instalações para vendedores dos mais diversos produtos – alimento, bebidas, acessórios...Etc. Novamente foram precárias. Se foi estabelecida a tal “praça da alimentação” nas tendas laterais da Pç. Cel Macedo, tudo deveria ser instalado naquele espaço...Limitado.Limitado mesmo!
O que não dá mais para acontecer é lotear o pátio e as calçadas da Escola Brasílio Machado – patrimônio da cidade – para instalação de barracas e “ambulantes” sem nenhum critério.

Espero que o prefeito João Domero faça uma visita ainda hoje a referida escola, para constatar o estado degradante que a deixaram. Também não entendo porque a direção da escola permite tal uso, pois o espaço é público, é uma escola, e todos finais de festa o transformam em uma “privada”. Socorro!
A programação não foi cumprida a risco, principalmente no desfile das Escolas de Samba, prevista e anunciada para iniciar às 21h, com transmissão da TV Pr Educativa. E ainda a platéia continua esperando uma hora de intervalo, entre uma escola e outra. Bem, também as Escolas encolheram, das seis participaram três.
Banheiros ecológicos insuficientes... Falta de placas de sinalização para auxiliar os transeuntes e os condutores de veículos. Faltou sinalização no setor histórico da cidade nas áreas destinadas a estacionamento de veículos, principalmente os turísticos.
Apesar dos “senões” costumeiros, o carnaval sempre é muito bom, porque o povo faz a sua parte. As administrações municipais são sempre insuficientes, incompetentes. E não consegue sequer fazer o mínimo para dar melhores condições aos foliões, aos turistas e a própria comunidade.
Recursos aparecem. Mas gastar R$570mil, nesta estrutura insuficiente é queimar dinheiro público em pleno carnaval molhado. Alias, a água “torneiral” circulou pelos canos até às 24h, normalmente é até às 21h.
Quanto aos recursos, os vereadores já solicitaram os devidos esclarecimentos ao prefeito. Nada além de suas funções: fiscalizar os gastos do executivo. Vamos aguardar.
Isso é apenas mais um “pitaco” do Bó. Pra não passar em branco e dizer que “não falei das flores”. E tenho dito!

P.S. Esqueci...Gostei da decoração da avenida. A melhor dos últimos anos. Com um objeto simples do nosso cotidiano (sombrinha), Cezar Broska soube com competência criar um belo conjunto, com graça e plasticidade. 

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

40 carnavais - 1975 a 2015

40 anos de “clicks”

Hoje completo 40 anos que registro através da fotografia o Carnaval de Antonina.
De 1975 a 2015 foram milhares de imagens registradas na minha retina e em centenas de filmes e suportes. Em 2012 pude materializar parte deste acervo, com a publicação do livro “Carnaval de Antonina-35 anos de cumplicidade” com a chancela do MINC e patrocínio da TCP e da Copel, tornando com isso acessível um pouco da história carnavalesca da minha cidade natal, às mais diversas pessoas do país e grande parte da comunidade escolar da nossa região. Pois 80% da edição – 1000 exemplares - foram doadas às escolas, bibliotecas e centros culturais do Brasil. 

veja matéria: http://fotografiaeduardonascimento.blogspot.com.br/2015/02/40-carnavais.html

Carnaval 2015

O melhor do Carnaval de Antonina 2015...só fotografias

Segunda-feira noite das Charmosas...Escandalosas...













 Interessados em fotos com maior resolução solicitar por e-mail:
 eduardobo1951@gmail.com

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

CARINHO NÃO FAZ MAL A NINGUÉM...Vale a pena ler de novo.

Publicado em 08/04/2007 e no livro "Tenho dito" de 2012.
CARINHO NÃO FAZ MAL A NINGUÉM

Há mais de trinta anos venho registrando imagens da nossa cidade. Algumas já se transformaram em livros fotográficos, de crônicas, resenhas para jornais e revistas, ilustração para catálogos, folhetos, cartazes, blogs, sites... etc... etc... etc. São mais de 10 mil imagens captadas neste período. Além das boas imagens dos costumes e das tradições da cidade, o que sempre me chamou atenção é o descaso público com que os nossos administradores sempre trataram a cidade, ou seja, a falta de cuidado e carinho com os serviços mínimos necessários para se conviver em sociedade.
Um dos problemas bem visíveis é a falta de qualificação da mão de obra dos servidores públicos e a falta de monitoramento por parte dos responsáveis pela execução dos serviços. Por aqui, uma pequena reforma de uma calçada demora uma eternidade, isto quando é feita. É mal executada, a sobra dos materiais permanece por dias, semanas e até meses abandonada, à espera de uma boa alma que possa lembrar os “responsáveis”. E tudo é meio assim. Coloca-se uma bandeirola para anunciar um evento, algumas são retiradas pós-evento, outras ficam ao cuidado do tempo até sua total deterioração.
A cidade gosta de fazer eventos e não conta com um espaço adequado e equipado e a cada festa tudo começa da mesma maneira: retiram os paralelepípedos do calçamento e nunca mais retornam aos seus lugares. Instalam manilhas de esgoto em plena praça central e as manilhas ficam por lá... Até... Ninguém sabe quando.
Melhorar a mão de obra dos operários da prefeitura não é nada impossível. Dá muito bem para ser feito e existe recurso disponível para a realização de cursos de capacitação, nas mais diversas áreas do atendimento público. É só querer, planejar e começar. Já o mais grave e de difícil mudança é a inoperância e a cegueira das chefias. Ninguém sai de seus gabinetes para olhar a cidade, ver o que está faltando, o que está quebrado e imediatamente achar solução. O prefeito, o grande responsável, se entoca no “palácio” e se esconde em casa, não sai às ruas e muito menos não cobra de seus subordinados.
Convivemos com uma cidade aparentemente “em guerra” com sua própria população. Nossas praças são sujas. Mendigos desfilam, dormem, lavam suas roupas, se drogam e praticam todos os tipos de atos obscenos em plena luz do dia. Em plena praça.
O que mais cresce mesmo é o mato e o desânimo das pessoas que conseguem ver e sentir na alma como tudo não acontece.
Uma grande parte da população, já acostumada com a situação, continua à espera de milagre e não percebe que somente ela poderá fazer esta transformação.
Para se estar à frente de alguma coisa, desde a primeira célula que é a família, até a escola, o clube de serviço, seu emprego e de uma administração, quer pública ou privada, antes de tudo é necessário competência, “tesão” e muito carinho. Algo que somente as pessoas especiais sentem e valorizam. Hoje, o que a gente percebe, além da incompetência de gerenciamento, é a falta de amor e carinho pela cidade. Ingredientes essenciais para qualquer mudança.



quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Manobra carnavalesca

Impressionante a manobra que o alcaide de plantão fez para desviar os recursos da então Secretaria Municipal de Cultura e Turismo. Em véspera de carnaval e com um orçamento de R$570mil para infraestrutura do evento, sem nenhum comunicado prévio, “caneteou” e mandou o Turismo para a Secretaria de Obras, ou seja, tirou a escada do secretário e deixou-o somente com o pincel na mão, em plena véspera de carnaval.
Agora o Turismo faz parte de uma tal Secretaria de Obras e Planejamento. Que de obras, quando faz é pela metade e de planejamento zero. Será que a mudança é por causa dos R$570 Mil, que poderá evaporar em apenas cinco dias de folia?

Tudo junto
Tudo junto e misturado alimentará ainda mais a caixa de pandora, destes incompetentes e gulosos mandatários.
A pergunta que fica no ar é a seguinte: E o prefeito pode criar, modificar ou anexar secretarias, alterar orçamento sem aprovação do legislativo? Com a palavra nossos “valorosos” vereadores.

Bem...já que é carnaval, vamos lá:

“Quanto riso oh,
Quanta alegria.

Mais de mil palhaços no salão...”