segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Votar para mudar...Vale a pena ler de novo?

Publicado em 28/03/2010 e no livro "Tenho Dito" 2006.

VOTAR PARA MUDAR

 

Quando se aproximam as eleições, a pergunta é sempre a mesma: em quem devemos votar para melhorar a nossa cidade? 
Hoje, também fui indagado. E respondi na tampa: “qualquer um!”.
Primeiro, que ainda – como comunidade – continuamos votando em quem nos “ajuda” superficialmente. “Nos vendemos” por qualquer mixaria.
Não é possível vivermos em uma região com mais de 180 mil leitores e não termos sequer um representante da região na Assembleia Legislativa e muito menos no Congresso Nacional.
Se continuarmos votando com a “barriga”, iremos continuar nossa missão de pedinte ad infinitum.
É preciso um amplo trabalho de conscientização do nosso eleitorado para que, nas próximas eleições, se vote em candidatos do litoral e não naqueles que aparecem por aqui e contam suas historinhas: “Vovó gostava muito de Antonina... E eu adoro esta cidade.” Até pode ser verdade, mas esta pessoa tem compromisso maior com sua base eleitoral, sua cidade e região. Vem para cá somente para caçar alguns votinhos.

O mesmo acontece com os nossos prefeitos. Não adianta nada se somente fizermos o nosso dever de votar em alguém e o elegermos. É preciso – depois de eleitos – cobrar seus compromissos de campanha. Participar ativamente de um grupo político, principalmente nas associações de bairros, e fazer valer seus direitos de cidadão e morador da cidade.
Caso isso não aconteça, somente estamos mudando as pessoas, mas continuamos com os mesmos vícios de eternos omissos. Se nada ou muito pouco acontece por aqui, somos nós os responsáveis. Continuamos reclamando pelas esquinas e achando que alguém irá resolver os nossos problemas. Se tudo continua como antes é porque a gente também não mudou.

Um trabalho de conscientização política muito bem poderia ser realizado pelos clubes de serviços, igrejas, associações e sindicatos. É preciso mudar nossos conceitos e votar em candidatos da nossa região. Vai ter candidato de todas as espécies, mas acredito que dará muito bem para escolher o “menos ruim”. Ao menos vamos ter “mais um”, mas com um cheirinho de bagre. E certamente irá entender e atender as reivindicações da nossa cidade e região. Seremos mais respeitados pelos governantes, pois teremos um representante fiscalizando e aprovando ou não suas ações. É o litoral sendo representado.


Uma coisa é certa. Em outubro teremos eleições e é bom começar desde já a pensar no assunto e não se deixar levar pelo ópio da Copa do Mundo. Cuidado, os caçadores de esperança já estão chegando.

Resultado da enquete sobre o Festival de Inverno

RESULTADO da enquete: Como você avalia o 24° Festival de Inverno da UFPR?

Ótimo 22%
Bom 26%
Mais ou Menos 20%
Ruim 5%
Péssimo 6%
Imperceptível 20%

Total votantes: 95

Analisando o resultado, a maioria 26% achou que o Festival foi BOM, e somente 5% acharam Ruim. Se somarmos os votos em Ótimo(22%) e Bom (26%) teremos 48% dos votantes que se expressaram positivamente. Os Mais ou Menos chegaram a 20%. Já os Péssimo ou Ruim somaram 11% e os que sequer perceberam o evento, Imperceptível somam 20%.
Se agruparmos em dois grupos, teremos o seguinte resultado: Ótimo, Bom e Mais ou Menos (regular) teremos 68%, justapondo aos 32% dos Ruim, Péssimo e Imperceptível.

Comparando com a enquête de 2013 teremos o seguinte resultado:
Em 2013 a soma de Bom, Ótimo e Mais ou Menos foi de 52%, em 2014 subiu para 68%.
Ruim, Péssimo e Imperceptível foi de 40% em 2013, contra 32% agora em 2014.


A enquete é um simples instrumento momentâneo de opinião, que poderá servir para diagnosticar ou não o rumo de uma situação. Uns as utilizam para melhorar suas performances, outros ignoram. O blog simplesmente abriu seu espaço.

terça-feira, 5 de agosto de 2014

E o Parque da Laranjeira?

No dia 04 de novembro de 2013 foi entregue o relatório de estudos do Grupo de Trabalho da Laranjeira, ao Presidente da Câmara Municipal de Antonina, Marcio Balera. Protocolado sob o nº 511/2013.
O grupo intitulado GT da Laranjeira - desde abril de 2012, por livre e espontânea vontade, se reuniu e discutiu possibilidades para a utilização do Bairro da Laranjeira, cuja área foi drasticamente atingida pelas chuvas de março de 2011 e se encontra em total abandono.
O Relatório Técnico entregue para a presidência da Câmara, propõe a criação de uma Unidade de Conservação denominada de Parque Municipal e Natural da Laranjeira. Com isso se pretendia dar maior agilização ao processo de apresentação, discussão e aprovação por parte dos nossos legisladores e rápida aprovação pelo executivo, por se tratar de matéria pertinente, principalmente no momento onde o IPHAN-PR abre licitação para projetos relativos à restauração arquitetônica da Fonte da Laranjeira* e do seu entorno, contemplados no PAC das Cidades Históricas.
O que nos surpreende é que até o momento (nove meses após a entrega da proposta) não houve sequer manifestação da presidência da casa quanto à apresentação da matéria aos vereadores, a não ser em conversas informais. Nenhum edil teve conhecimento.
Por outro lado, o edital de tomadas de preço do Iphan-Pr (Nº 06/2014) conta com dados do nosso relatório, como a limitação de área a ser projetada...Etc. Informações – cremos - passadas pela arquiteta da prefeitura e integrante do GT.
Por se tratar de área que merece tratamento diferenciado e que não mais poderá ser ocupada por habitações permanentes (relatório da Mineropar), seria mais que oportuno à aprovação da nossa proposta, pois as obras de restauração da Fonte, do Mirante e entorno, que viessem a ser executadas pelo Iphan-pr, estariam ainda mais protegidas. Caso contrário os recursos aplicados, em pouco tempo seriam tomados pelo mato.
Senhores vereadores estamos aguardando suas manifestações. Parlem!
E Tenho Dito e feito.
Ato da entrega do relatorio: 04 nov 2013.
Copia do documento

Area proposta pelo grupo e utilizada pelo Iphan
Figura 9 - Mapa elaborado a partir do levantamento topográfico.
Fonte: Grupo de Trabalho da Laranjeira, Relatório Final, 2013.
Participantes do grupo de voluntários: Ailde Mendes Polari, André Garcia, Caetano Cândido Machado, Cássia Fonseca, Eduardo Bittencourt do Nascimento (articulador), Fernando José Dias, Izis de Oliveira Mendes, José Maria Rosa Filho, Julio César Campos, Laís de Oliveira, Mônia L.F.Fernandes, Nelson Mendes, Ruth Fernandes de Oliveira, Wagner Corrêa Santos.

 *A Fonte da Laranjeira integra o perímetro de entorno do Conjunto Histórico e Paisagístico de Antonina que compreende o centro histórico da cidade e o complexo das Indústrias Reunidas Francisco Matarazzo (IRFM), protegidos pela legislação federal, desde fevereiro de 2012, por meio do Decreto lei n° 25/1937.

terça-feira, 29 de julho de 2014

Etc e tal

Etc e tal

Já fiz carnaval...E festival...
Já plantei uma árvore no meu quintal.
Já fui chamado de burro...
Por um “animal”.

Já escrevi e publiquei até jornal;
Limpei banheiro e lecionei na federal...
Fiz desenho, gravura, pintura e me dei mal.
Fotografar é sensacional...
Quando o assunto não é normal.

Critiquei o político no mural;
E fui expulso do sacramental.
Mas nunca cumpri pena criminal.
Ah, se eu pudesse ser menos formal.

O ponto e a vírgula ser inicial;
Como seria rever o verbal?
Se a verborréia construísse
O imaginário bacanal.

Ah, se tudo fosse normal.
O que seria de mim...Condicional;
Na alameda da vida...
Em alto astral.

Chega de tanta coisa banal...
Etc e tal.

EduardoBó Nascimento

28 07 14

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Como foi o Festival de Inverno?

Deixe sua opinião sobre o Festival de Inverno, realizado em Antonina em 2014.
Ela é importante para planejar o próximo evento, que acontecerá ano que vem e completará 25 edições.
Vote na enquete ao lado direito e no topo da página.
Como você avalia o 24° Festival de Inverno da UFPR?

Mais uma festa

Acabamos de assistir e participar de duas grandes festas na cidade. O Festival de Inverno promovido e organizado pela Universidade Federal do Paraná e o Encontro Paranaense de Veículos Antigos, organizado pelo Clube MP Lafer/Curitiba. Os organizadores fazem das “tripas-coração” para dar continuidade aos eventos a cada ano.
Este ano, para quem viu de fora, notou nitidamente um total desencontro em tudo. Primeiro na coincidência de calendário gerando conflitos de espaços e interesses. Depois, o mais revoltante, a organização da cidade. Quem chegava não sabia por onde entrar, onde trafegar...E estacionar. O que estava acontecendo? Credo!
A prefeitura não teve a capacidade de montar a tal Pç de Alimentação – já tradicional ao lado da Cel. Macedo – e deixou tudo correr muito à vontade. Cada barraqueiro montava seu comercio ambulante onde bem entendia. Até parece que foi disponibilizado um espaço na Carlos Gomes da Costa ao lado do Brasílio Machado. Mas, totalmente contra mão – um descaso com todos, com o patrimônio da cidade, com os moradores, com o tráfego de veículos e principalmente com os eventos.
Nenhuma sinalização de tráfego e nenhum policiamento de transito foram disponibilizados para orientar a grande “muvuca” no domingo. Um verdadeiro “inferno”. Muitos participantes afirmaram que dificilmente voltarão...No próximo ano – caso existir.
Será que não tem alguém na prefeitura que possa criar um calendário de eventos, pensar a cidade em dia de festa e tentar minimizar estes já “cabeludos” problemas?
E não venham agora me dizer que estava tudo uma beleza.

E Tenho Dito...e feito.

quarta-feira, 23 de julho de 2014

RESULTADO DA ENQUETE

RESULTADO DA ENQUETE

Como você avalia os 18 meses (1,5 ano) da Gestão João Domero?

Ótimo 5%
Bom 1%
Mais ou menos 3%
Ruim 6%
Péssimo 27%
Decepcionante 54%
NDA 0%
Total votantes: 154
Julho de 2014

O resultado de uma enquete, nada mais é que o retrato momentâneo do assunto a ser tratado. No caso da atual gestão municipal do prefeito João Domero, o resultado demonstra um total descontentamento com sua conduta. A maioria (54%) votou que a administração é DECEPCIONANTE. Somando os valores positivos teremos um total de 6% (ótimo e bom). Em compensação os negativos somam 87% (ruim, péssimo e decepcionante). O critério Decepcionante, dificilmente se encontra em uma enquete, mas como nosso eleitorado tem como critério à amizade e não a capacidade, achamos por bem inseri-lo. O resultado aparece que 54% do seu eleitorado está DECEPCIONADO com sua gestão.

COMPARAÇÃO
Se compararmos com a enquete feita pelo blog para avaliar os nove meses de gestão João Domero, feita em setembro de 2013 com esta avaliação, iremos perceber nitidamente o crescimento negativo quanto a sua performance.
Em setembro a maioria 33% votou que a administração era Péssima, agora a maioria 54% votou em Decepcionante, que anteriormente foi de 18%.
Enquanto 23% votaram em Ótimo e Bom, agora baixou para 6%. Em compensação Ruim, Péssimo e Decepcionante que indicaram 60%, agora subiram para 87%.
Os Mais ou Menos em setembro eram 12%, e agora 3%.

Números são números, ou são levados a sérios ou simplesmente descartados.
Para os “formados nas escolas da vida”...Ciência não serve para nada.
É tudo meio decepcionante.



segunda-feira, 21 de julho de 2014

Antonina fervilha cultura em dias frios

 foto:André Rodrigues/ Gazeta do Povo
O 24º Festival de Inverno da UFPR tem programação extensa e vai até sábado na cidade litorânea  Publicado em 21/07/2014 Gazeta do Povo| GILSON GARRETT JR.

Teatro Municipal com pelo menos dois espetáculos por dia, apresentações de dança, lançamento de livro que conta a história da cidade, música ao vivo feita em um palco montado especialmente para o evento e na praça central. É assim que a cidade de Antonina, no litoral paranaense, vai ficar até o próximo sábado com o 24.º Festival de Inverno da UFPR (veja a programação). Além das atividades culturais, há oficinas que estão com as inscrições encerradas. Até o final da semana são esperadas 20 mil pessoas.
Estudantes da universidade, artistas paranaenses e comunidade, todos unidos com o objetivo de impulsionar a cultura em Antonina. Espera-se, também, atrair turistas. No show de abertura, no sábado, seis mil pessoas, segundo a organização, acompanharam o cantor e compositor de música folk Renato Teixeira.
Segundo a pró-reitora de Extensão e Cultural da UFPR, Deise Picanço, coordenadora do projeto, o Festival é uma tentativa de fazer com que a universidade esteja mais perto da comunidade. “Nosso trabalho vai além das atividades culturais. Os professores da universidade farão um trabalho de formação junto com os educadores das 11 escolas municipais e seis estaduais que existem na cidade”, conta. No total, 30 estudantes de graduação e pós-graduação estão diretamente envolvidos com o projeto.
Entre as áreas envolvidas está a de Educação Física. Alunos comandam a ação que leva brincadeiras antigas para a Praça Coronel Macedo, no centro. As atividades são feitas todos os dias, das 14 horas às 17h30. A família Bueno esteve na praça para aproveitar o dia de sol que fez ontem. A administradora Viviani levou a filha Mariana, de 9 anos, para brincar. “Moro em Curitiba e vim para visitar minha família que mora aqui, mas nunca tinha visto o Festival. Eu adorei a ideia de resgatar essas brincadeiras para toda a família”, disse. Junto dela estavam o marido Luís e os sogros, Gilberto e Célia.
 

Eduardo Nascimento  foto:André Rodrigues/ Gazeta do Povo


Criador do festival
O professor da UFPR Eduardo Nascimento escolheu a cidade para lançar a terceira edição seu livro de fotografia chamado “Antonina dos Meus Dias: revisitada”. A seleção não foi por acaso. Ele, antoninense, é um apaixonado pela cidade litorânea e foi um dos fundadores do festival. “Quando decidimos criar esta estrutura, a intenção era que durasse pelo menos 25 anos. Era um grupo muito preocupado com a educação. A cidade estava extremamente carente de um projeto como este” diz. Na obra estão fotos que ele tirou ao longo de 15 anos, de 1975 até 1990.