segunda-feira, 4 de setembro de 2017

9º Encontro de Arte Moderna/40 ANOS

9º Encontro de Arte Moderna/40 ANOS

cartaz do evento

O Encontro de Arte Moderna - evento realizado pelo Diretório Acadêmico Guido Viaro da Escola de Música e Belas Artes do Paraná foi idealizado no final da década de sessenta, a fim de criar um novo espaço experimental da produção e reflexão com a arte contemporânea para os acadêmicos da Escola.
Vários Encontros aconteceram e ocuparam não somente os espaços da Escola, como de Museus, do Centro de Criatividade e ruas de Curitiba.
Em 1977 tive a honra em ser eleito presidente do Centro Acadêmico, e junto com o corpo discente resolvemos dar uma nova roupagem ao evento, proporcionando aos docentes da Escola, um espaço diferencial para o desenvolvimento de novas propostas.
Planejamos e realizamos o 9º Encontro de Arte Moderna, de 05 a 11 de setembro de 1977, em Antonina. Cidade mágica e aconchegante, aberta para novas experiências com os “velhos mestres” e ávidos discípulos.
Foram realizadas varias oficinas e palestras durante a semana. Participaram os professores Fernando Carderari (pintura), Ivens Fontoura (painel), Luiz Carlos de Andrade e Lima
(desenho e mural), Sergio Kirdziej (aquarela), João Osório Brzezinski (interferência urbana). Tivemos como palestrantes as professoras Henriqueta Penido Garcez Duarte (concerto e música clássica) e Roseliz Roderjan (folclore). Também aconteceram atividades de poesia (?) e construção de pipas (Sergio Moura).
No dia 05 de setembro, os alunos da Escola foram recepcionados na Praça Carlos Cavalcanti pelo prefeito municipal, senhor Paulo Virgilio Savarin e pela musicalidade da Filarmônica Antoninense, que em desfile pelas ruas da cidade deram abertura ao evento.

A hospedagem dos alunos foi nas instalações do Centro Espírita Luz e Conforto e dos professores no Hotel Cangatá. As refeições foram servidas no Restaurante Cruzeiro e as noites eram regadas no trapiche municipal, ao som de um violão a luz de lampião a gás onde se construía um painel histórico de concreto.
Aos poucos uma velha parede ao lado da praça Cel Macedo, dava lugar a um belo painel mural, com alegorias e imagens do cotidiano da cidade, elaborado pelos alunos e integrantes locais. O conjunto de casario em ruína da rua Marques do Herval recebia um tratamento plástico em suas portas e janelas, tornando-o importante na construção de uma nova paisagem. No ultimo dia, o chafariz da Praça foi palco de uma exposição de poesias e pinturas e no Restaurante da Ieda foi oferecido um barreado para brindar o acontecimento.





Pessoas cruzavam olhares diferentes e hospitaleiros, para aquilo que até então nunca tinham presenciado. A Escola também estava surpresa com sua outra indumentária, no litoral e em uma cidade centenária.

Hoje, quarenta anos depois, apenas ficaram as lembranças e algumas coisas que “ a gente nem se lembra mais”. Mas que muitos dos seus participantes irão recordar, pois em 1977, aconteceu em Antonina, o 9º Encontro de Arte Moderna da Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Dedico aos protagonistas desta insignificante história.

(amigos e alunos da época – desculpem se houve lapso de memória: Cenira, Denise Bandeira, Eneide Moreira, Geraldo Leão, Ligia Borba, Maria Emilia, Neida Prochmann,  Plínio Verani, Priscila Sansone, Sergio Delagiogomo, Sergio Moura, Selma Oliveira,  Telma Serur, Uiara Bartira e Vera Moura).







Eduardo Nascimento
Antonina, 04 setembro 2017



terça-feira, 11 de julho de 2017

27 FESTIVAL DE INVERNO DA UFPR ABRE NA SEXTA,14.

Repensar o Brasil, repensar a UFPR, repensar a cultura

Toda cidade tem fala e memória, que precisam ser ouvidas e preservadas. É com esta intenção que o Festival de Inverno da UFPR chega a Antonina este ano: para reavivar a memória da cidade e resgatar sua vocação como lugar de produção e expressão cultural, palco de manifestações populares diversas.
Esta edição do Festival é resultado do triunfo da criatividade e da parceria sobre os obstáculos encontrados ao longo da preparação do evento. Sob novas gestões, tanto a Universidade quanto a Prefeitura de Antonina empenharam-se no diálogo permanente com a comunidade local, comerciários, entidades, comunidades, grupos, para tornar o evento realidade.
O Festival de Inverno deste ano retoma a praça como espaço de encontro, de diálogo, de festa, como lugar da pulsão e da liberdade da cultura. Nesse espírito, o evento chega à cidade como um cortejo, chamando a comunidade antoninense e os artistas populares para que participem das atividades. É no espaço do coreto da cidade que os artistas convidados desfilarão suas músicas, seu som, seu calor para todos participantes do Festival.
Na toada da valorização da cidade, teremos a seresta, que resgatará as canções das casas de Antonina,e, no encerramento, o baile de carnaval, com a participação de escolas de samba e blocos locais.
A programação inclui ainda as tradicionais oficinas, com diversas temáticas e para diferentes públicos, além de atividades paralelas já consolidadas, como o passeio ciclístico, Cinema do Sesc e a Praça de Lazer. 
Além das novidades programadas para Antonina, pela primeira vez o Festival avança para outras cidades do Litoral onde a UFPR está presente, atendendo a uma antiga demanda da nossa comunidade acadêmica. Vamos levar uma pequena mas significativa amostra de ações culturais para Matinhos e para o Museu de Arqueologia e Etnologia, em Paranaguá. São oficinas de museologia, performance e corpo, além de apresentações culturais, lançamento de livro e feira gastronômica. 

Assim, o 27º Festival de Inverno renova o compromisso da UFPR com a cultura e representa mais uma vez a pluralidade cultural do nosso Paraná, de Antonina e da Universidade. Cumpre também o seu papel de promover a democratização do acesso aos bens culturais e de contribuir para a construção de uma cidadania cultural. 

O nosso agradecimento a todos os envolvidos/as neste processo, aos patrocinadores que confiaram nesta proposta, aos parceiros institucionais, à equipe da Prefeitura de Antonina, a todas unidades da UFPR que possibilitam a logística do Festival, às equipes descentralizadas de Matinhos e Paranaguá e, principalmente à incansável e eficiente equipe da Coordenadoria de Cultura da Pró-Reitoria de Extensão e Cultura.
O nosso desejo é que você se divirta, conheça, aprenda, troque, se envolva com a cidade, fazendo com que o 27º Festival de Inverno seja uma grande festa popular da diversidade cultural. 
Ricardo Marcelo da Fonseca - Reitor
Graciela Bólzon de Muniz - Vice-Reitora
Leandro Franklin Gorsdorf - Pró-Reitor de Extensão e Cultura




N.B. _ O festival de Inverno da UFPR é promovido pela Universidade Federal do Paraná e conta com o apoio da Prefeitura Municipal de Antonina, Quanto a logística e algumas tarefas essenciais a sua realização, como cidade sede. Sao vinte e sete anos de historia...que não deve parar. Universidade e Cidade...parceria perfeita em prol da cultura. Participe!

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Antonina Blues Festival

Acontecerá de 15 a 18 de junho o III Antonina Blues Festival. Iniciativa do 
empresariado da cidade, pontualmente  Marcos Maranhão (Hotel Camboa) e
 André (Cantina Casa Verde). Esta terceira edição promete duplicar o sucesso das anteriores. 
Com apoio de novas empresas e uma singela participação da Prefeitura Municipal, 
através da Secretaria de Turismo e Cultura, tem uma repleta programação (veja no banner),
 com 26 apresentações nos mais variados locais da cidade. O maior número de shows, 
deve acontecer ao lado do Hotel Camboa (defronte a Igreja Matriz), no 
Restaurante Brisa do Mar (mercado) e na Cantina Casa Verde. 
Confira a programação e prepare suas malas...Imperdível!

ANTONINA...CIDADE BONITA.




terça-feira, 16 de maio de 2017

MOSTRA DE PINTURA

Em cartaz na Sala de Exposição do Arquivo Historico de Antonina, 
uma exposição de pinturas intitulada MOSTRA CAPELISTA. 
Aberta diariamente das 9h as 11h30 e das 13h30 as 17h30, inclusive aos sábados.
 O Arquivo Histórico, hj sede da Secretaria Municipal de Turismo e Cultura, 
está na Rua Heitor Soares Gomes, 30. Aberta até o dia 03 de junho. 
Apareçam!
Banner da Mostra

imagens da abertura



quarta-feira, 26 de abril de 2017

A HORA E A VEZ DO TURISMO....VALE A PENA LER DE NOVO?

Publicado em 28/03/2011

A HORA E A VEZ DO TURISMO


Apesar de minha formação profissional não estar ligada ao turismo, venho defendendo há muito tempo que o turismo deveria ser tratado com seriedade em nossa cidade. Tive até uma oportunidade relâmpago – 10 meses – à frente da Secretaria Municipal do Turismo (2005) e quem acompanhou de perto e com conhecimento de causa sabe muito bem que estávamos no caminho certo e em pouco tempo colheríamos bons frutos. Mas, infelizmente os governantes não sabem aproveitar as boas experiências e partem para novas tentativas, sem o mínimo preparo técnico, e esquecem o que é mais importante: a parceria com o empresariado. Pois são eles que fazem do turismo riqueza.
Não é mais preciso dizer que nosso município tem um grande potencial para ser desenvolvido. Temos alguns atrativos interessantes e uma pequena rede de hotelaria e gastronomia de qualidade. Creio que podemos contar com aproximadamente seiscentos leitos e setecentos talheres, que poderiam ter uma ocupação de no mínimo 80% nos finais de semana, caso tivéssemos uma cidade que também disponibilizasse um melhor tratamento de seus equipamentos, uma boa recepção e informação com material gráfico de qualidade e sinalização para facilitar a vida dos turistas.
Precisamos urgentemente solucionar a reforma tão falada e não feita na Praça da Feira-Mar, cartão de visita da nossa baía, que, conjuntamente com o Mercado e o Trapiche, formam um belo equipamento. A limpeza das nossas ruas, praças e logradouros é fundamental para melhorar o visual do conjunto.
Nossos eventos devem ser repensados e tratados com profissionalismo. Temos que transformar nossas festas em geração de renda e emprego. Que se montem barracas, mas que sejam por nós exploradas.
Tenho certeza que temos muito que mostrar e tem muita gente que gostaria de comprar.
Quando tudo isso estiver pronto, sem nenhuma dúvida seremos procurados por várias operadoras, que roteirizarão nossos atrativos e nossas ruas serão tomadas por visitantes e turistas.
Se os empresários continuarem remando sozinhos até podem chegar a algum lugar. Mas se for estabelecida parceria com o público, juntos chegarão mais rápido.
Para que isso aconteça é preciso somente uma coisa: vontade política.

Antonina... Agora é a hora. Levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima.

N.Editor do Blog - Hj, a convite do prefeito José Paulo Vieira Azim, ocupo o cargo de Secretario de Turismo e Cultura. Continuo com om mesmo pensamento crítico, mas conto com uma equipe na Secretaria e um grupo de Secretários que faz a diferença. Somado ao empresariado e ao Conselho Municipal de Turismo ( será escolhido no dia 04 de maio) com certeza as realizações irão se concretizar.

sábado, 15 de abril de 2017

Vai começar a festa...Encontro de Tradições

Antonina, Patrimônio Histórico e Artístico Nacional

Nos dias 20,21 e 22 de abril
, estaremos recebendo e realizando o 1º Encontro de Tradições. O evento criado e promovido por Olaria Projetos de Arte e Educação, objetiva proporcionar um espaço de convivência entre grupos folclóricos paranaenses. Tendas com palco serão montadas entorno da Praça Coronel Macedo e em seu interior barracas destinadas a exposição de objetos relacionados aos grupos participantes.
A cidade ganhara visibilidade durante o evento e os segmentos diretamente ou indiretamente ligados ao turismo, como hotéis, pousadas e restaurantes serão os mais beneficiados. A hospedagem do evento só foi possível graças ao apoio irrestrito da atual administração municipal, na batuta do prefeito José Paulo Vieira Azim.



“Em 2017 acontece a primeira edição do Encontro de Tradições. O projeto, com realização da produtora Olaria Projetos de Arte e Educação, nasceu da parceria da curadora Lia Marchi com o produtor LM Stein, que assinam em conjunto a direção do evento.
Nos dias 20, 21, 22 de abril estarão reunidos na cidade de Antonina, litoral do Paraná, representantes de diversas tradições do Estado, apresentando ao público a música, a dança, o artesanato, enfim as riquezas das tradições culturais populares.
Venha para Antonina no feriado de Tiradentes e encontre tudo aquilo que você queria ver e ouvir em um só lugar, no Encontro de Tradições!”


MÚSICA, DANÇA E ESPETÁCULOS
Congada, folia, fandango, danças tradicionais e muita música nos três dias do Encontro de Tradições. Serão 12 grupos do Paraná apresentando a diversidade de expressões que povoam nossas memórias e festas.
Todas as apresentações são gratuitas e acontecem na Praça Coronel Macedo, no Centro Histórico de Antonina.
Durante os três dias do evento, os grupos participantes também farão cortejos pelos bairros da cidade e as Folias de Reis e do Divino visitarão as casas levando as bandeiras com música e tradição. 
Veja em nossa programação detalhes sobre os grupos e apresentações:




sábado, 18 de março de 2017

BICICLETA fotografias

Inaugurar uma exposição individual em um lugar apropriado e cheio de magia, não é somente expor ao público seu olhar, suas idéias, seus caminhos e experimentos. Abrir uma mostra é muito mais que isso. É “mijar no canto”, rever amigos, juntar a família...É uma grande festa...Dar e receber muitos abraços. Tem melhor que isso?

BICICLETA 
Fotografias de Eduardo Nascimento
Museu de Arte Contemporânea do Paraná
Aberta 16 de março/até 21 de maio de 2017

“Eduardo Nascimento nos emprestou seus olhos. Por meio deles, tornou possível que passeássemos por um mundo de bicicletas, levando-nos a imaginar, sonhar e refletir sobre a jornada da vida. Inevitável, cheia de percalços e surpresas, ela pode ter seu peso amenizado e tornar-se mais prazerosa se pudermos contar com ingredientes como a arte e umas boas pedaladas.”
Dulce OsinskiOut 2016

























Fotos com Iphone: 
Elisa Possani Nascimento
video

sábado, 11 de março de 2017

11 DE MARÇO.

O 11 de março de 2011

A tragédia que abalou a cidade deu seus primeiros sinais um dia antes. Parte do Morro do Bom Brinquedo desabou, e com a intensidade da chuva e continuidade, o Bairro da Laranjeira foi o mais atingido. Depois a Caixa D’agua...A Graciosa de Cima...E as ruas centrais foram tomadas pela água e pela lama. Centenas de moradores ficaram desabrigados e houve duas vítimas.



Imagens: